Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marrocos e o destino

A ida do maridão para Marrocos trouxe muitos imprevistos, peripécias, aventura e muitas saudades. É aqui que irei tentar "expulsar" os medos, as tristezas, as alegrias e as saudades.

Marrocos e o destino

A ida do maridão para Marrocos trouxe muitos imprevistos, peripécias, aventura e muitas saudades. É aqui que irei tentar "expulsar" os medos, as tristezas, as alegrias e as saudades.

Depois de espreitar o placar com os voos e depois de ver que o nosso ainda não constava aguardamos. Queríamos despachar as malas para depois podermos andar descansados, mas não havia maneira de vermos o nosso voo anunciado. Acabamos por ir até às informações que nos mandaram ir a outro balcão e depois a outro. Confesso que começava a ficar um pouco irritada. Finalmente acabamos por saber que podíamos fazer o check in nas maquinas e que depois de saírem as etiquetas para as malas as podíamos colocar no tapete rolante. Na altura pensei " O quê, aqui a menina é que vai tratar de tudo? , "As malas chegam ao destino ou vou acabar por as enviar para outro lado?".

Pelo sim pelo não achei melhor ser o Miguel a carregar nas teclas. Malas enviadas fomos passar, ou melhor tentar passar nas passagens electrónicas. Varias mexidelas no bilhete para baixo, para cima, para o lado e nada da portinhola abrir. É que nem o meu nem o dele. As outras pessoas conseguiam sem problema e nós aselhas (pensava eu) nada. Fomos ter com uma funcionaria que depois de varias tentativas falhadas, também nos deixou passar noutro local. Parece que havia uma falha no código de barras.

Chagada à zona que está a policia eu passei sem problema, mas quando foi a vez do Miguel pediram-lhe para abrir a mochila.  Então não é que ele tinha lá uma canivete? Um pequeno canivete, mas não deixava de ser uma arma branca.

O que é que aconteceu? 

 

 

 

Tal como nos anos anteriores decidimos ir de expresso até Lisboa para apanhar o avião. Não que não pudéssemos levar o carro e deixa-lo no parque do aeroporto, mas entre pagar portagens, gasolina e estacionamento preferimos pagar apenas 24 euros de expresso (para os dois) e deixar o carro no estacionamento junto à rodoviária da nossa cidade. Bem, para o ano não sei se o voltamos a fazer, mas isto é coisa para ficar para outro post.

Voltando à viagem, chegamos a Lisboa cerca de hora e meia depois e apanhámos o Bus para o aeroporto. Fizemos e check in, despachamos as malas e cerca de 2 horitas depois estávamos dentro do avião para Madrid. Os que aqui passam sabem que não gosto de andar de avião, mas entre andar nele e ficar em casa escolho andar no "bicho". A viagem foi tranquila e rápida.

Já fora do aeroporto vimos um placar com números de telefone de vários hotéis e vai dai ligámos para o nosso que rapidamente nos foi buscar ( sem custo).

Não é hotel com luxos, mas perfeito para passar a noite.

Como o nosso voo apenas era às 18,20 h do dia seguinte decidimos ir jantar no centro de Madrid e dar uma voltinha na zona. Pegámos o autocarro ( 2 euros cada viagem) mesmo em frente ao hotel e com as indicações da recepção foi muito fácil chegar ao destino seguinte, o metro . Aqui se não fosse a ajuda da funcionaria não seria fácil saber para que linha nos dirigimos. Depois de dizermos que queríamos ir à zona das lojas (Av. America)) ficamos a saber que teríamos de ir para a linha castanha e parar em Serrano. Nada melhor que andar nessa rua depois das lojas fechadas. Não fosse o diabo tece-las e fazer-nos investir nuns trapitos daqueles que Cristiano Ronaldo e afins compram.

Acabamos a jantar piza, que não era má, mas achei um bocadito puxado (34,40 euros) Aqui a menina costuma comer uma piza divinal com bebidas por cerca de 11 euritos e para dois.

Depois de uma noite bem dormida lá fomos para o aeroporto, transportados pela carrinha do hotel.

Felizmente chegámos com 4 horas de antecedência, porque aquilo é quase uma cidade, de tão grande que é.

SAM_2002.JPG

Recepção do hotel SHS

SAM_2006.JPG

Um dos edifícios. O tramado foi levar as malas até ao primeiro andar de escadas

SAM_1961.JPG

Eu e os gatos. Este era um dos que andavam no hotel. 

SAM_1964.JPG

O quarto, simples, mas com um colchão confortável.

SAM_1993.JPG

 Sala para o pequeno almoço. Bastante bom, diga-se.

SAM_1969.JPG

 Saída do metro,com chuva.

SAM_1977.JPG

 

SAM_1978.JPG

As pizas, boas, mas não divinais no Emporio

SAM_1976.JPG

 Euzinha à espera da piza.